terça-feira, 22 de março de 2011

Laws of the scourge - Sarcofago - 1991


Esse eh um clássico absoluto do metal nacional, seria triste reduzir essa grande obra a mero adjetivos, então lhes dou uma rápida e objetiva sintese: ele é um album que traz fascinio, furia, admiração e repulsa. Uma obra bem singular no ambito subjetivo.

O album já começa bem pra cacete...Laws of the scourge...Musica essa que eu ouvia todo o maldito dia antes de ir a escola. Sempre me indentifiquei com a letra dessa porra... There´s only school to enter, and only a language to learn. Nobody can scape, from the Laws of the scourge (Há apenas uma escola para frequentar e uma lingua para aprender. Ninguem pode escapar das leis da escória). A letra eh uma fodida critica a sociedade como a conhecemos.
Então a segunda musica eh outra fodida...Piercings...Eu a ignorava, até que, quando fui ouvi-la provei da mais sublime brutalidade que esses mineiros tiveram ousadia de compor. Uma bateria que leva a copulsão do espirito ou a insanidade, literalmente.
Depois de tanta brutalidade, vem a peculiar Midnight Queen, que começa com um interessante arpeggio e depois se torna uma musica pessada pra cacete e bem cadenciada. A musica conta a história da vida repulsiva e nefasta de uma prostituta que se suicida no final da musica desistindo de viver num mundo tão opressivo.
Outro grande destaque do album vai para a Screeches from the silence, que é um dos clássicos da banda. Esta musica pode literalmente te levar a um transe, ela pode o envolver de tal forma q vc pode se sentir na pele do motociclista q morre dilacerado no asfalto como a musica sugere.

Ainda temos nessa versão algumas musicas do ep "Crush, Kill, Destroy". Confesso q so dei atenção a elas agora, e vou te dizer uma coisa, são musicas fodidas pra cacete!

Por essas experiencias ora brutais e ora interessantes q recomendo este album. Depois de muito tempo sem postar porra nenhuma, tinha q postar algo q o meu chefe não tinha postado ainda...Um classicão nacional, algo para se orgulha de nossa terra.

Set List
1 - Laws of Scourge
2 - Piercings
3 - Midnight Queen
4 - Screeches from the silence
5 - Prelude from a suicide
6 - The black vomit
7 - Secrets of a Window
8 - Little Jullie
9 - Crush, Kill, Destroy

DONWLOAD GORE

sexta-feira, 18 de março de 2011

Demolition Hammer - Tortured Existence (1990)

Uma das bandas do gênero Thrash mais perfeita, o Demolition Hammer lançou seu 'Debut' em 90, década pela qualo o  thrash metal começou a decair. Um dos melhores albuns feito na década de 90, com uma pitada frenética de Death Metal oitentista e a agressividade do bom e velho Thrash Old. Destaque para as faixas 44 Caliber Brain Surgery e Infectious Hospital Waste. Com apenas três albúns, os lançamentos dessa ótima banda estão fora de catálogo ultimamente. Pena foi a banda ter se dissolvido ainda cedo, depois da morte do baterista. Mas esta ai uma marca que vai ficar pra sempre!!

           Clique aqui para explodir o seu cérebro

Death - Leprosy (1988)

O Death foi uma importante banda da década de 80 e também 90 a ajudou a constituir varios subgêneros do Metal. Porém o q há de melhor do Death esta no ínicio de sua carreira, onde produziam um som cru e seco fornecendo uma grande base para o Death Metal q conhecemos hoje em dia. Leprosy é um clássico absoluto, com sete faixas uma melhor do q a outra. Destaque para os hinos Leprosy, Pull the Plug e Left to Die. Altamente recomendado para quem ainda não pode conferir.

                 Clique aqui para explodir o seu cérebro


Death - Scream Bloody Gore (1987)

Primeiro trabalho oficial do Death depois de inumeras demos com o nome de "Mantas", o albúm traz letras q centralizavam o horror e o mal como tema e apresenta melodias sujas, velozes e secas. Considerado um clássico do Death Metal, Scream Bloody Gore marca o ínicio da carreira da banda com um som diferente q executavam na década de 90, maravilhosamente perfeito e podre! Destaque para as músicas Infernal Death, Zombie Ritual, Baptized in Blood, e Evil Dead (inspirada no filme!).



Pestilence - Consuming Impulse (1989)

Banda de Death Metal da holanda que executava um som semelhante ao dos americanos do Death. O Pestilence também tem ótimos trabalhos lançados em sua carreira, este é um deles, senão o melhor. Com um gutural extremamente poderoso de Martin Van Drunen e riffs matadores o albúm não pode deixar de ser destacado no blog. Destaque para as faixas: The Process of Suffocation, Suspended Animation, Chronic Infection e Echoes of Death como ponto forte do albúm.
                                            Link

Obituary - Slow We Rot (1989)

Obituary marcou o gênero Death Metal com este explendido trabalho que é considerado um dos melhores lançamentos do gênero ao lado de Seven Churches (Possessed) e Scream Bloody Gore (Death). Apresenta um som diferente das demais, um pouco mais cadenciado, mórbido e arrastado como se ve de costume nas outras bandas. Destaque para a capa que é uma fina obra mórbida de arte! As faixas Internal Bleeding, Til Death e a mórbida faixa título são hinos obrigatórios executados até hoje em apresentações feitas pela banda.

                                            Link



Mercyful Fate - Nuns Have No Fun EP (1982)

Ta ai uma banda realmente importante. Se o Black Sabbath criou o Heavy Metal, consequentemente o Mercyful Fate ajudou a solidificar o Black Metal e dentre outros gêneros também como o Doom Metal e até mesmo o Thrash e o Death Metal em certos aspectos. O vocalista Kim Bendix Petersen cujo pseudonimo adotado é conhecido como King Diamond criou o Corpse Paint, pintura facial muito utilizada em bandas de Black Metal hoje em dia, se tornando a marca e a arte do Black Metal de acordo com sua importância. Esse é o primeiro lançamento da banda contendo quatro músicas realmente muito boas, introduzindo o som q a banda levaria dali pra frente, que é um Heavy Metal tradicional com elementos do Doom Metal e letras satanicas e de horror. Clássico inigualável!
                                       Link
                                   ENJOY!!!!

quinta-feira, 17 de março de 2011

Exhumed - Gore Metal (1988)

Ótima banda de Gore/grind! Uma das melhores hoje em dia! O Exhumed faz um som totalmente insano com uma pitada do bom e velho Death Metal q se nota fácil e aquela escatologia grotesca e purulenta do bom Grindcore. Esse é um dos melhores trabalhos da banda, ja começando pela capa! O albúm abre com a esmagadora Necromaniac dai segue uma série de Pig Squeal com rasgados pra la de cadávericos forjados a riffs podres e sujos. Não é preciso falar mais nada. Stay gore, Stay Insane!
   

A Interpretação dos Pesadelos

 Texto que explica psicologicamente como interpretar um pesadelo, quias são as suas prováveis causas e como se livrar deles. Matéria retirada do site: http://openmind.planetaclix.pt/interpretarpesadelos.htm
Espero que leiam e gostem!




"Para os entendidos, sonhos e pesadelos não acontecem por acaso. Muito pelo contrário, são reacções muito bem planeadas pelo inconsciente. É lá que guardamos muitos dos nossos medos, incertezas e dificuldades de viver, e é de lá que saem as reacções esse arquivo escondido. Reacções que se mascaram com o que de mais feio há na nossa mente! Mas, no fundo, ao aparecerem vestidas de monstros nocturnos, essas imagens não são mais que símbolos daquilo que tememos ou daquelas características menos positivas de nós próprios que, por alguma razão, ainda não conseguimos ultrapassar. Daí que enfrentar um pesadelo possa ser melhor política que andar a fugir dele, procurando constantemente ignorá-lo ou evitando interpretá-lo."


Infelizmente, não se encontra muita concordância entre os vários autores que investigam o significado genérico dos sonhos ou pesadelos. Diferentes explicações são apresentadas para sonhos idênticos, o que as torna pouco fiáveis. No entanto, e muito mais importante do que associar aquilo que sonhamos a resultados genéricos apresentados numa tabela algures, é tentar interpretar os nossos próprios sonhos, usando técnicas recomendadas por alguns especialistas.
O princípio fundamental é que saibamos descrever cada sonho com o maior detalhe possível. Para isso, é importante que o possamos lembrar quando acordamos. Para os mais fracos de memória, um bom exercício passa pela sua preparação, ainda antes de adormecer (preparando a mente para não esquecer nada do que venha a acontecer!) e recorrer à nossa memória assim que acordarmos, com um papel e caneta por perto, onde possamos escrever fielmente tudo o que ela tenha registado nessa noite. Antes de escrever, recomendam os especialistas, deixe-se ficar quieto durante um ou dois minutos para reconstruir a estrutura base do sonho. Só então deve lançar-se ao papel. Este exercício poderá não resultar da primeira vez, mas a sua prática levará a um maior domínio sobre aquilo que sonhámos.
Uma vez conhecido o enredo e as personagens do sonho, deverão então colocar-se as seguintes perguntas: "Onde/quando/quem/o que é que a imagem do sonho me lembra?"; "Se tivesse que explicar essa imagem a alguém que nunca a tivesse visto, como é que a explicaria?".
A associação de pessoas, situações ou acontecimentos ao enredo do nosso sonho, pode ser mais importante que o conteúdo por si só  Por exemplo, se existe no sonho uma casa a arder, interessa mais saber de quem é essa casa ou onde está, do que concentramo-nos demasiado nas chamas ou no fogo.
Depois de ter descrito o sonho, divida uma folha em duas colunas e do lado esquerdo escreva todas as imagens que recorda. Debaixo de cada uma, coloque as respostas às duas perguntas. Na coluna da direita, escreva aquilo que julga ser o significado do sonho ou pesadelo. Com o decorrer dos dias, compreenderá que a interpretação dos sonhos é mais eficaz quando olhar para eles de forma integrada, à medida que os for escrevendo em noites sucessivas e for encontrando elos de ligação entre eles. Curioso será reparar e analisar aquelas imagens que mais se repetem nos vários sonhos que vai tendo.


À medida que vamos conhecendo e dominando os nossos pesadelos/sonhos, vai-nos sendo possível iniciar técnicas de combate aos mais persistentes e que, de alguma forma, mais nos perturbam. De cada vez que formos capazes de enfrentar, e até vencer, os protagonistas dos nossos pesadelos, estamos a envolvermo-nos no nosso lado mais negativo e, consequentemente, a dar o primeiro passo para a sua transformação. 
Talvez por isso alguns especialistas acreditem que enfrentar o pesadelo possa ser tão útil quanto enfrentar os próprios problemas que lhes estejam na origem. Se um pesadelo persiste, há que conhece-lo bem para então dar início às técnicas de combate. 
Antes de dormir, é possível estimular defesas para a noite que se anuncia. É tudo uma questão de mentalização: antes de adormecer diga a si mesmo que não quer ver o seu sono perturbado pela presença de pesadelos, mas que no caso de eles se apresentarem serão duramente confrontados. Se nos pesadelos o seu agressor é o Drácula (o exemplo parece ridículo mas, na verdade sonhamos com coisas muito piores que o Drácula) prepare a sua mente para, durante o sono, lhe responder na mesma moeda, enfrentando-os combatendo-o.

Para além das técnicas, que nos ajudam a enfrentar o pesadelo, e da necessidade de compreender se está contida alguma mensagem do nosso inconsciente, existem outras formas de, simultaneamente, ir incentivando o seu desaparecimento.
Segundo os entendidos, dormir de barriga cheia pode ser causa de muitos pesadelos. Por isso recomenda-se que não faça refeições pesadas antes de se deitar. O truque pode ser não comer três horas antes de ir para a cama.
Outra razão aparentemente confirmada, é a ingestão de drogas. Segundo o Dr. William Dement, especializado nesta temática, até os comprimidos para dormir podem causar sonhos profundamente perturbados. Muitas pessoas que começam a tomá-los na tentativa de reduzir as insónias, acabam por precisar de doses cada vez maiores para continuarem a ser eficazes. Em alguns casos, a dependência torna-se tão evidente que, depois de algum tempo, já não conseguem dormir sem essa dose diária. Sem eles é normal que aconteça uma das duas coisas: uma total incapacidade de dormir ou, conseguindo dormir, uma provável ocorrência de pesadelos.